VW reinventa Fusca com motor turbo e câmbio DSG

Linha 2013 está à venda em duas opções com bloco de 200 cv de potência

29/11/2012 - Anelisa Lopes, de Campinas (SP) / Fotos: divulgação / Fonte: iCarros

 
 
Fusca volta à linha 2013 da Volkswagen
  • 1 | 9
  • Fusca volta à linha 2013 da Volkswagen
  • Fusca volta à linha 2013 da Volkswagen Modelo está disponível em duas versões Motor é comum a ambas, 2.0 de 200 cv de potência Teto solar é adquirido à parte Interior do Fusca Câmbio de dupla embreagem DSG do Fusca Interior com revestimento de couro pode ter duas cores opcionalmente Tela multimídia do Fusca Rodas de 18 polegadas são opcionais
Em meio à uniformidade provocada pela padronização visual dos modelos Volkswagen, disseminada nos últimos anos, surge, ou reaparece, um semblante familiar. O novo Fusca retorna à linha 2013 não só com o nome de batismo brasileiro original, mas com referências do modelo lançado no século passado. O primeiro lote de 1.300 unidades vindo do México começa a chegar às lojas este mês.

Com elementos resgatados do antigo Fusca, o lançamento da montadora alemã - à venda em duas versões (manual de R$ 76.600 e automática DSG por R$ 80.990) - ficou mais baixo e mais largo, além de ter ganho um capô mais alongado em relação ao Beetle. Inspirado no conceito Ragster, mostrado em 2005, em Detroit, o Fusca ficou mais esportivo e robusto, sem deixar de lado a simpatia que lhe foi peculiar durante décadas. 

A aerodinâmica não é só visual. O Fusca recebeu o motor turbo de 2,0 litros de 200 cv de potência já compartilhado por outros modelos da Volkswagen. O bloco pode vir associado a um câmbio manual ou automático de seis velocidades. Dessa forma, a nova edição mexicana se tornou a mais potente da história do carro. 

Reformulação também chegou à cabine

Com 4,27 m de comprimento e 1,80 m de largura, o Fusca teve sua carroceria redesenhada, deixando para trás qualquer inspiração do Beetle. Um pouco maior que seu anetecessor, carrega quatro adultos - mas ainda com pouca folga traseira para as pernas de quem vai atrás - e tem mais disposição espacial no bagageiro, que conta com 310 litros de capacidade. 

O painel, cujo design também foi apoiado nos primeiros Fusca, é bem acabado, mas não provoca euforia. Traz os comandos à mão do motorista e do passageiro, que podem contar opcionalmente com o charme de um medidor de temperatura, relógio com cronômetro e medidor de pressão do turbo acima do CD player e do ar-condicionado. GPS, sensor de estacionamento, conjunto de som Fender, sistema de partida sem chave e teto solár elétrico também podem ser adquiridos à parte.

A versão topo de linha com câmbio automático de seis velocidades e tecnologia de dupla embreagem (mantém a marcha seguinte pré-engatada para não haver perda de força nas passagens de velocidade) é um atrativo à parte na condução do Fusca. Junto da direção elétrica e do motor turbo de 200 cv de potência de 28,5 mkgf de torque a baixas 1.700 rotações por minuto, não há falta de resposta à pressão do acelerador. O carro ganha desenvoltura com facilidade e reage à intenção do motorista com rapidez . A velocidade máxima é de 223 km/h; a pouco mais de 100 km/h, no entanto, o ruído externo de vento passa a se fazer presente na cabine. 

Viagem a convite da Volkswagen
  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

publicidade