Royal Enfield volta ao Brasil por a partir de R$ 18.900

Agora como subsidiária oficial, marca retorna ao País com três modelos e preços variando entre R$ 18.900 e R$ 24.500

20/04/2017 - Texto: Thiago Moreno / Fotos: Thiago Moreno e divulgação / Fonte: iCarros

Após uma conturbada chegada ao Brasil em 2013 por importação independente, a Royal Enfield voltou ao nosso mercado e dessa vez quer ficar um pouco mais de tempo. A marca inaugurou hoje (20/4) sua primeira loja oficial, agora como subsidiária brasileira da empresa, na capital paulista. A Royal Enfield retorna com três modelos: Bullet, Classic e Continental GT, querendo pegar a fatia do mercado de motos intermediárias, com cilindrada entre 250 cm³ e 750 cm³.

Leia mais:
Yamaha surpreende e tem duas motos no Top 10
Avaliação: BMW F 700 GS
Avaliação: Harley-Davidson Iron 883

A marca em si foi fundada na Inglaterra em 1901, derivada de uma fábrica de armas de mesmo nome, daí o lema “Made like a gun” (feito como uma arma). Desde 1955 há fábrica na Índia e é lá que até hoje as motos são feitas com um estilo não muito diferente do que era visto nas décadas de 1950 e 1960.

O estilo retro aliado ao preço devem ser as principais “armas” da empresa no Brasil. “Nós viemos não para ficar anos, mas décadas. Primeiro com a loja em São Paulo (SP) e, depois que essa operação se estabelecer e ser rentável pretendemos expandir para mais cidades no Brasil”, afirmou Rudratej Singh, presidente da empresa.

A marca contabilizou em 2016 cerca de 660 mil motos produzidas. Arun Gopal, chefe de negócios internacionais da Royal Enfield, explica que o sucesso da marca tem motivo: “Além de os pilotos mais jovens já buscarem o visual retro, também há o sentimento de ‘pós-performance’, que é uma impressão de que as motos ficaram grandes demais, fortes demais. Nós oferecemos um motociclismo mais acessível e numa forma mais pura”.

Ainda não há previsão de números de vendas para motos. Cláudio Giusti, diretor geral da operação brasileira, afirma que “não temos como meta as vendas. Vamos trabalhar o teste-drive primeiro e acreditamos que esse será nosso maior motivo de venda, junto ao boca a boca dos proprietários atestando a qualidade das motos”. Todas as motos terão de série dois anos de garantia sem limite de quilometragem e a marca afirma que a loja aberta na capital paulista já está abastecida com peças de reposição.

As motos

Os três modelos oferecidos inicialmente no Brasil puxam pesado para o tema retro. Acabamentos pintados, painel similar ao da moto original, aba no farol que é redondo e até pintura feita à mão no tanque de combustível. A Bullet, de entrada, tem um apelo mais para o uso diário, sendo a única com banco para garupa de série. As Classic e suas variações vão mais, longe, com banco solo e pinturas com temas militares. Também é a primeira a oferecer freios ABS como opcional. Já Continental GT lembra as clássicas Café Racer, também com banco solo, motor um pouco mais potente, guidão mais baixo e pedaleiras recuadas.

Tanto a Classic quanto Bullet têm motor monocilíndrico refrigerado a ar de 499 cm³ a gasolina com injeção eletrônica gerando 27,5 cv de potência e 4,2 kgfm de torque. O câmbio tem cinco marchas e a transmissão final é feita por corrente. A partida pode ser feita por pedal, mas há um motor de arranque convencional para a partida elétrica por botão.

A suspensão usa um garfo telescópico na dianteira com 130 mm de curso. Na traseira são dois amortecedores a gás com reservatório externo e 80 mm de curso. O freio dianteiro é a disco com 280 mm de diâmetro e a tambor na traseira. A roda dianteira é de 19 polegadas com pneu 90/90 e de 18 polegadas com pneu 110/80 na traseira.

Nas medidas, as motos têm 2,14 m de comprimento, 0,80 m de largura, 1,08 m de altura e 1,36 m de entre-eixos. A distância em relação ao solo é de 140 mm. O peso em ordem de marcha é de 195 kg. O tanque acomoda 13,5 litros de combustível. Todas as medidas são compartilhadas entre as duas motos.

A Continental GT tem algumas diferenças. O motor a gasolina com injeção eletrônica, ainda arrefecido a ar, tem 535 cm³ e gera 29,5 cv e 4,5 kgfm de torque. A moto tem as mesmas especificações de câmbio e amortecedores, apenas o garfo dianteiro é de maior diâmetro.

Na GT, ambas as rodas têm 18 polegadas, calçadas por pneu 100/90 à frente e 130/70 atrás. O freio a disco dianteiro da marca Brembo tem 300 mm de diâmetro e o traseiro, também a disco, é de 240 mm.

Nas medidas, tem 2,06 m de comprimento, 0,76 m de largura, 1,07 m de altura e 1,36 m de entre-eixos. É um pouco mais leve, com 184 kg, mas o tanque comporta os mesmo 13,5 litros das demais.

Himalayan nos planos

Desde 2016, a Royal Enfield oferece no mercado indiano a Himalayan, que tem proposta aventureira e motor de 411 cm³ com 24 cv. Arun Gopal afirmou que “ainda temos que passar pelo processo de homologação, mas queremos trazer a Himalayan ao Brasil ainda em 2017”.

Confira os preços das novas Royal Enfield:

Bullet 500: R$ 18.900
Classic 500: R$ 19.900
Classic 500 ABS: R$ 20.900
Classic 500 Military: R$ 21.000
Classic 500 Military ABS: R$ 22.000
Classic 500 Chrome: R$ 21.900
Classic 500 Chrome ABS: R$ 22.900
Continental GT: R$ 23.000
Continental GT ABS: R$ 24.500

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro