Fiat, Peugeot e Citroën já fizeram carros juntas no passado

As chamadas Eurovans viveram entre 1994 e 2014 na Europa, mas quatro delas foram vendidas no Brasil

07/11/2019 - João Brigato / Foto: Divulgação / Fonte: iCarros

Depois que PSA (Peugeot, Citroën, DS, Opel e Vauxhall) e FCA (Fiat, Jeep, Chrysler, Dodge, RAM, Lancia, Alfa Romeo e Maserati) anunciaram que se tornarão um único grupo automotivo, muito foi especulado sobre os futuros modelos das marcas. Mas sabia que a Fiat já fez carros com Peugeot e Citroën?

Acreditamos que você gostaria de ler isso:
Fiat Toro Endurance manual, a versão mais barata da picape
Fiat-Chrysler se junta ao grupo Peugeot Citroën
Fiat Argo fica mais caro enquanto novos rivais estreiam
Peugeot confirma caminhonete média para o Brasil
Peugeot e Citroën terão plataforma global do 208 no Brasil
Peugeot confirma caminhonete média para o Brasil

A parceria já rendeu modelos comerciais como Fiat Ducato e Scudo, Peugeot Boxer e Expert, Citroën Jumper e Jumpy, alguns desses vendidos nos Brasil. No entanto, a parceria chegou a modelos de passeio também, em uma sinergia que durou de 1994 a 2014. Ao todo foram sete modelos diferentes produzidos, todos da mesma categoria.

Procurando um Peugeot? Veja ofertas

Chamadas informalmente de Eurovans, as minvans foram produzidas pela Sevel Nord (Società Europea Veicoli Leggeri), sociedade formada por Peugeot, Citroën, Fiat e Lancia em 1993. Ela durou até 2012 quando a Fiat vendeu sua parte à PSA. Um ano depois a Toyota entrou na sociedade para produção de veículos comerciais.

Números e letras

A criação das minivans da PSA e FCA era a resposta à Renault Espace e à Plymouth Voyager, minivans pioneiras e que causaram verdadeiro furor no mercado. O projeto foi encabeçado pela PSA, tanto que diversos componentes internos como volante, hastes de comandos e demais peças plásticas eram compartilhadas com outros carros das francesas.

Lançadas simultaneamente em junho de 1994, a família Eurovan era constituída por Citroën Evasion, Peugeot 806, Fiat Ulysse e Lancia Zeta – apenas as minivans da Peugeot e Citroën foram vendidas no Brasil em número bastante limitado, tanto que são raridade hoje em dia.

Encontre seu próximo Citroën aqui

Entre elas havia poucas diferenças visuais, sendo concentradas em faróis (retangulares e espichados em todas, como era típico nos anos 1990), grade frontal, lanternas traseiras e tampa do porta-malas. Destaque para a Fiat Ulysse que tinha traseira muito semelhante ao Tipo.

Ulysse, 806 e Evasion tinham a mesma colocação de mercado e preço bastante semelhante. Já a Zeta era cerca de 20% mais cara que suas irmãs por conta do posicionamento semi-premium da Lancia na época.

Veja aqui ofertas de carros da Fiat na sua cidade

Essa questão fez com que os motores mais fracos 1.8 8V de 99 cv e o 2.0 8V de 121 cv a gasolina e o diesel 1.9 de 90 cv, não fossem oferecidos à Lancia Zeta. Além dessas opções, Fiat Ulysse, Peugeot 806, Citroën Evasion e Lancia Zeta tinham como opção gasolina um 2.0 16V de 136 cv e 2.0 8V turbo de 147 cv.

Com diesel as alternativas eram um 2.1 12 V de 109 cv, 2.0 8V de 109 cv e 2.0 16V de 109 cv – todos os propulsores eram da PSA. Câmbio manual de cinco marchas era padrão, mas havia um automático de quatro marchas apenas para o 2.0 16V.

As minivans passaram por uma reestilização leve em 1998, ganhando dianteiras mais modernas e distintas entre si. Novamente o destaque vai para a Fiat Ulysse, que agora adotava faróis praticamente idênticos aos de Marea, Marea Weekend, Bravo e Brava.

Mudança de nomes, parceria mantida

A segunda geração chegou apenas em 2002, com cada minivan sendo lançada em um mês diferente, além de mudanças de nomes. A primeira foi a Peugeot 807, seguida pela Citroën C8, depois Fiat Ulysse (única que não trocou de nome) e por fim a Lancia Phedra. As minivans da PSA duraram até 2014 e foram vendidas no Brasil, enquanto as da FCA morreram quatro anos antes e nunca pisaram em terras tupiniquins.

Diferentemente da primeira geração das Eurovans, as novas tinham maior diferenciação visual: capô já não era o mesmo, assim como os para-lamas e tampa do porta-malas, que era exclusiva de cada minivan. Com posicionamento premium a Lancia Phedra era 3 cm mais comprida que as outras irmãs.

Na Ulysse e na Phedra, havia terceira janela lateral integrada à lanterna traseira, algo que não ocorria na 807 e C8 – apesar disso, as quatro ostentavam lanternas na coluna C, sendo a Peugeot com a menor delas e mais baixa. Já a cabine era praticamente idêntica, salvo logotipos e cores internas (veludo azul na Fiat, couro na Lancia, tecido ou couro na PSA).

A gama de motores mudou, mas continuou toda baseada nos blocos PSA. Havia opções 2.0 16V a gasolina com 136 cv e 140 cv (apenas C8 e 807), além de um 2.2 16V de 158 cv. Mas o grande destaque era para o 3.0 V6 de 204 cv que vinha apenas com transmissão automática. Entre os diesel, havia o 2.0 de 120 cv ou 136 cv e o 2.2 com 128 cv ou turbo de 170 cv.

Das quatro minivans, as da PSA foram as que mais venderam, sendo a Peugeot 807 campeã, seguida pela Citroën C8. Elas foram substituídas pelo 5008 (que na primeira geração era uma minivan de 7 lugares) e pela C4 Picasso. Já na FCA, a Ulysse deu lugar ao Freemont e a Chrysler Town & Country, rebatizada de Lancia Voyager, substituiu a Phedra.

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro