GM, Renault e VW desistem do câmbio automatizado, menos Fiat

I-Motion, Easy’R, Easytronic não fazem mais parte do mercado brasileiro, mas Dualogic/GSR segue firme

15/05/2019 - João Brigato / Fotos: Divulgação / Fonte: iCarros

O mercado brasileiro é aberto à novidades, mas quando elas não dão certo uma vez, sua morte é algo praticamente certeiro. Foi assim com o câmbio automatizado de embreagem única, mais conhecido como I-Motion, Easy’r, Easytronic, Dualogic ou GSR, dependendo da marca. Volkswagen, Renault e Chevrolet já desistiram da ideia, mas a Fiat ainda continua.

Leia mais:
Fiat Mobi para PCD pode sair por preço inferior a R$ 26 mil
VW up! fica mais barato e perde versões Move, Pepper e Cross
Como fica a VW com up! e Fox mais baratos e Golf aposentado

Mas o que é um câmbio automatizado de embreagem única?

Diferentemente de um câmbio automático tradicional que conta com conversor de torque ou um CVT com suas polias, o automatizado de embreagem única é mais simples. Toda base é de um câmbio manual tradicional, o que torna o sistema mais barato que outros tipos de câmbio que dispensam o pedal de embreagem.

Ele traz atuadores hidráulicos que operam a embreagem e o câmbio e são conectados aos computadores do carro para saber qual marcha deve ser selecionada e em que momento. O problema desse tipo de transmissão é a quantidade de trancos. Pelo fato de o motorista manter o pé no acelerador o tempo todo, na hora das trocas, o câmbio tende a dar fortes solavancos, já que desativa o acelerador e faz as mudanças.

Simule as parcelas do seu próximo carro aqui

Muitos donos de automatizados costumam mudar a maneira de dirigir e tirar o pé do acelerador na hora de trocar a marcha, usando o câmbio sempre no manual. Isso resulta em menos solavancos. Outra desvantagem é a lentidão nas trocas e também na ativação do creeping, que é aquela pequena aceleração ao tirar o pé do freio, ideal para manobras. Alguns automatizados mais antigos não contam com essa função.

Por que todos desistiram do câmbio automatizado?

A pioneira entre os carros produzidos no Brasil com transmissão automatizada de embreagem única foi a Chevrolet Meriva em 2007. Na época, Chevrolet, Fiat e Volkswagen já testavam o sistema para ser empregado no Brasil. O câmbio automatizado era usado há anos na Europa e Índia e surgiria como uma alternativa mais barata que o automático tradicional, ainda nada popular no Brasil.

Confira aqui ofertas de carros da Chevrolet na sua cidade

Na Meriva o conjunto não convenceu, sendo criticada pela alta quantidade de trancos e pela lentidão do sistema. A Chevrolet ainda insistiu na ideia com o Agile, mas o câmbio Easytronic morreu junto ao hatch em 2014. A Meriva, pouco antes de ser aposentada em 2012, já havia abandonado o criticado câmbio.

A Chevrolet resolveu investir diretamente na transmissão automática tradicional, algo que se mostrou um grande acerto da marca. A caixa de seis marchas foi empregada em Onix, Prisma, Cobalt e Spin, dando fim ao malsucedido automatizado Easytronic.

Na Volkswagen a história começou em 2009 com o Gol e Voyage. Batizado de I-Motion, o câmbio automatizado logo se espalhou pela linha. Foi usado em Fox, SpaceFox e up!, mas nunca foi um sucesso de público e crítica.

Confira aqui ofertas de carros da Volkswagen

Gol e Voyage abandoaram o I-Motion em 2018 quando ganharam câmbio automático de verdade. Também no ano passado, o Fox deixou de oferecer o automatizado quando a Volkswagen promoveu uma reorganização das versões. A SpaceFox morreu sem o I-Motion, já o up!, último da família a ainda oferecer essa transmissão, a deixou de lado no mês passado quando a linha 2020 chegou.

Diferentemente de Volkswagen e Fiat que mantiveram por um bom tempo suas transmissões automatizadas, a Renault chegou com o Easy’R no Brasil no auge das críticas à esse sistema e rapidamente o tirou de linha. Ele chegou em 2014 mas saiu de cena somente neste ano, ainda que ninguém lembrasse.

Procurando um Renault para chamar de seu? Veja ofertas

A Renault substituiu o velho câmbio automático de quatro marchas (que ainda sobrevive em Captur, Duster e Oroch) pelo automatizado Easy’R em Sandero e Logan. Com pouca divulgação e muitas críticas, ele deixou de ser oferecido para os compactos já em 2017. A Renault ainda insistiu com o câmbio no Sandero Stepway até março deste ano.

Fiat: a resistência

Em 2009, poucos meses antes da Volkswagen, a Fiat trouxe o Dualogic para o Brasil. O câmbio automatizado de embreagem única logo se espalhou por toda linha de modelos da marca. Foi de Palio, Weekend, Strada, Siena, Uno e Mobi até Stlio, Doblò, Idea, Linea e Bravo. A grande crítica com o sistema era nos modelos médios, que tinham rivais automáticos de fato.

A Fiat fez mudanças grandes no câmbio automatizado, melhorando ele a passos largos ao longo do tempo. Tanto que em 2013 passou a usar o nome Dualogic Plus por conta das alterações e também da inclusão da função creeping dos automáticos tradicionais.

Confira aqui ofertas de carros da Fiat na sua cidade

Em 2017, a Fiat removeu a transmissão automatizada de Siena, Strada, Weekend e Doblò. A Idea morreu ainda oferecendo essa transmissão. Com a chegada do Mobi, o Dualogic mudou de nome para GSR e passou a ser oferecido apenas no subcompacto. Apesar de alterado sensivelmente, ele continuava com os mesmos problemas dos automatizados.

O câmbio passou a ser oferecido nas versões 1.3 de Argo e Cronos, além do Uno também com motor 1.3. Quando a Fiat limou versões do Uno, ela deixou de vende-lo com câmbio GSR. Já Argo e Cronos devem receber uma transmissão automática tradicional (ou CVT) em breve para substituir o GSR. Esse pode ser o fim do câmbio automatizado de embreagem única caso o Fiat Mobi também o abandone, já que Renault, Chevrolet e Volkswagen já desistiram. 

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro