Por que os carros elétricos aceleram tão rápido?

Modelos superesportivos eletrificados estão ganhando notoriedade pela entrega rápida de torque e potência

14/12/2020 - Redação / Foto: Divulgação / Fonte: iCarros

Em comparação com os carros movidos com motor à combustão interna, um carro elétrico desperdiça bem menos energia. Em um carro à combustão, os processos para que o veículo se desloque envolvem muita perda de energia. Traduzindo: motores elétricos oferecem muito mais eficiência energética que os movidos com combustível. 

Leia mais:
+ Itaú anuncia serviço de compartilhamento de carros elétricos
+ 10 carros elétricos mais influentes da história recente
+ Venda de carros elétricos bate recorde no Brasil

Em parte, isso ocorre por haver várias engrenagens e mecanismos envolvidos no movimento e, em outra parte, porque os também chamados motores térmicos consomem combustível para gerar também uma quantidade enorme de calor, quase que inteiramente desperdiçado, junto com o movimento.

Aliado a uma aerodinâmica eficiente e uma bateria com maior capacidade de carga, a potência dos carros elétricos é distribuída de maneira diferente, tornando-o mais eficiente se comparado ao outro sistema.

Simplificando, com um carro elétrico, o processo de aceleração passa por uma corrente elétrica que cria um campo magnético fazendo um rotor (no motor) girar e que, consequentemente, girar o eixo das rodas.

Algo muito mais simples que o processo num veículo à combustão e que, por ser tão simples, faz com que o torque - que faz o carro ser tão forte – chegue quase que instantaneamente às rodas.

É exatamente esse alto torque medido em kgfm que proporciona um arranque muito rápido nos elétricos. Um exemplo disso é o Porsche Taycan Turbo S, que chegou ao Brasil neste ano e é capaz de acelerar do 0-100 km/h em apenas 2,8 segundos. Ele entrega 761 cv de potência (usando o overboost) e 107,1 kgfm de torque.  

Para que você tenha uma ideia do que esses números representam, vamos comparar com um carro comum com motor à combustão. Que tal o Chevrolet Onix turbo? Longe de ser um carro “fraco”, ele oferece 116 cv de potência e 16,8 kgfm de torque. 

O funcionamento de um carro 100% elétrico é relativamente simples e usa basicamente apenas quatro itens fundamentais: bateria, inversor, motor de indução e sistema de recuperação de energia, que funciona conforme o movimento de desaceleração. 

A bateria, de íons-lítio recarregável, armazena a energia elétrica que será utilizada para fazer o carro andar, enquanto o inversor converte a corrente elétrica contínua (das baterias) em corrente alternada, que é então levada até o motor. A eletricidade aciona os mecanismos do motor elétrico, que faz as rodas girarem e o carro se mover. 

No modelo elétrico, como o movimento de rotação do rotor já acontece no mesmo sentido, não é preciso converter movimento vertical em rotacional, como acontece em um carro à combustão. Por isso, não há necessidade de haver um sistema de transmissão tão complexo nos elétricos.

Nos veículos movidos à combustão, quando você pisa no acelerador, uma borboleta é acionada. Ela se abre permitindo que o combustível seja conduzido para uma câmara de combustão, misturado com ar.

Dentro da câmara, essa mistura é comprimida por um pistão até seu limite e, neste instante, a vela produz uma faísca, que detona uma explosão. É a força dessa explosão que empurra o pistão para baixo, gerando movimento.  

Em seguida, o sistema de bielas e manivelas transforma esse movimento vertical do pistão em rotacional e, através da transmissão, faz com que chegue às rodas. Só por esta explicação você já deve ter percebido que a coisa é bem mais complexa que no elétrico, não é?

Outra diferença é que no câmbio de um veículo elétrico há somente duas marchas: uma para frente e a marcha ré. Isso porque o torque (força) gerado pelo motor é tão grande, que não há necessidade de multiplicar essa força usando engrenagens – e, assim a perda de energia durante o processo é mínima. 

Ou seja, numa arrancada, quando você pisa fundo no acelerador de um carro elétrico, toda a força do motor vai quase que imediatamente para as rodas, sem componentes intermediários ou sistemas complexos.

Num modelo a combustível, há uma série muito maior de peças e movimentos entre uma coisa e outra, consumindo mais tempo e energia. Quando todo esse processo se conclui e finalmente o carro atinge seu melhor desempenho, o rival elétrico já cruzou a linha de chegada. 

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

 

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

  • Seguro Auto

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro
Para proteger e melhorar a sua experiência no site, nós utilizamos cookies e dados pessoais de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao navegar pela nossa plataforma, você declara estar ciente dessas condições.