Lançamento: Chevrolet Onix e Prisma 2017

Novos Chevrolet Onix e Prisma mudam visual e mecânica para 2017. Hatch ganha inédita versão aventureira

26/07/2016 - Texto: Thiago Moreno, de Gramado (RS) / Fotos: Divulgação / Fonte: iCarros

A Chevrolet apresentou hoje (26) a linha 2017 do Onix e do Prisma. Tanto o hatch como o sedã passaram por atualizações visuais e mecânicas. Além disso, o Onix estreará uma versão aventureira chamada Activ, assim como ocorreu com a minivan Spin. Por enquanto, a marca apresentou mudanças apenas para os carros equipados com o motor 1.4. As versões com o 1.0 serão mostradas futuramente.

Leia mais: 
Chevrolet Onix é o carro mais vendido de 2015
Em julho de 2016, Hyundai HB20 supera Onix
Chevrolet Onix ou Volkswagen Gol: qual é o melhor 1.0

O que mudou?

Por fora, tanto o Onix como o Prisma exibem a nova linguagem visual da marca. Assim como Cobalt, Cruze, S10 e Trailblazer, faróis e grade estão mais afilados. O capô, com vincos mais pronunciados, é novo, assim como os para-choques frontal e traseiro. As laternas traseiras receberam pequenas revisões. Por dentro, todos os modelos com motor 1.4 serão equipados com o sistema de concierge online OnStar, que tem também serviços de rastreamento e auxílio em emergências. A central multimídia MyLink, também de série em todas as configurações 1.4, foi atualizada e agora conta com alguns botões físicos para ajudar na utilização.

A motorização 1.4 ainda é oferecida com o propulsor SPE/4, o mesmo do lançamento dos Onix em 2012. Porém, o motor foi pesadamente revisado. A engenharia aumentou a taxa de compressão, utilizou pistões, bielas e anéis mais leves e usa um óleo de menor viscosidade. Tudo com o intuito de reduzir os atritos internos e deixar o bloco mais eficiente. A central eletrônica também é nova e 40% mais rápida em processamento. 

A opção pelo câmbio automático de seis marchas permanece, mas o câmbio manual agora também é de seis velocidades em substituição ao de cinco. Segundo a Chevrolet, Onix e Prisma deverão ficar entre 18% e 22% mais eficientes em relação aos modelos que substituem. O hatch 1.4 com câmbio manual tem consumo declarado de 8,6 km/l na cidade e 10,2 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, os números são 12,5 km/l e 14,9 km/l respectivamente. Já o Prisma 1.4 marca 8,2 km/l e 10,7 km/l  com etanol e 12,8 km/l e 15,4 km/l com gasolina.

Contribuem também para o melhor consumo a caixa de direção com assistência elétrica, a adoção de pneus com baixa resistência ao atrito de rolagem, o alteranador mais leve e eficiente e o melhor coeficiente aerodinâmico gerado pelas mudanças na carroceria com o facelift.

Versões, preços e itens de série:

Onix LT 1.0 (R$ 44.890): ar-condicionado, direção elétrica, travas elétricas, vidros elétricos dianteiros, rodas de aço aro 14 com calotas e sistema OnStar

Onix LT 1.0 com MyLink (R$ 46.290): itens da LT 1.0 mais central multimídia MyLink com tela de 7 polegadas, espelhamento da tela de celular, conectividade via Bluetooth e USB.

Onix LT 1.4 (R$ 49.590 manual, R$ 54.790 automático): direção com assistência elétrica progressiva, ar-condicionado, monitoramento da pressão dos pneus, vidros elétricos dianteiros, travas elétricas, sensor de estacionamento traseiro, central multimídia MyLink com tela de 7 polegadas, espelhamento da tela de celular, conectividade via Bluetooth e USB e sistema OnStar, banco traseiro rebatível e faróis com máscara negra. Se o comprador optar pelo câmbio automático, o piloto automático vem de série.

Onix LTZ 1.4 (R$ 54.590 manual / R$ 59.790 automático): acrescenta luzes de posição em LED (não é DRL), espelhos externos com regulagem elétrica, faróis com superfície interna cromada, detalhes cromados na grade frontal, maçanetas internas cromadas, computador de bordo com cinco funções, vidros elétricos traseiros e bancos ainda de tecido, mas com revestimento Premium.

Prisma LT 1.4 (R$ 53.690 manual, R$ 58.990 automático): mesmos equipamentos do Onix LT 1.4

Prisma LTZ 1.4 (R$ 58.690 manual, R$ 64.690 automático): mesmos equipamentos do Onix LTZ 1.4

Ficha Técnica

O motor 1.4 ainda é o mesmo SPE/4 de 8V flex do modelo anterior. As alterações se deram na reprogramação da central eletrônica, aumento da taxa de compressão, adoção de pistões mais leves e redução de atrito interno. Agora, esse propulsor entrega 106 cv de potência e 13,9 kgfm de torque com etanol. Respectivamente, os números com gasolina são 98 cv e 13 kgfm. Outra novidade da linha 2017 para os motores 1.4 é a substituição da transmissão manual de cinco velocidades por uma de seis marchas. A opção pelo câmbio automático continua com seis velocidades. O conjunto motriz é compartilhado por todos os modelos Onix, Onix Activ e Prisma com motor 1.4.

Nas medidas, o novo Onix tem 3,93 m de comprimento, 1,7 m de largura, 1,47 m de altura e 2,52 m de entre-eixos. O porta-malas  acomoda até 280 litros de bagagens. A versão Activ tem o mesmo entre-eixos e bagageiros, mas com 3,95 m de comprimento, 1,73 m de largura e 1,55 m de altura contando o rack de teto. Já o sedã Prisma mantém o entre-eixos de 2,52 m, mas com 4,28 m de comprimento, 1,7 m de largura e 1,47 m de altura. O porta-malas tem 500 litros. As versões LT têm rodas de ferro aro 15 com calotas, enquanto as LTZ e Activ saem de fábrica com rodas de liga-leve aro 15. O Onix LT 1.4 manual tem 1.034 kg, ou 1.067 kg se for automático. O LTZ tem 1.042 kg ou 1.074 kg, respectivamente. Da mesma forma, o Onix Activ pesa 1.062 kg ou 1.092 kg. Já o Prisma LT 1.4 manual tem 1.048 kg, ou 1.080 kg com transmissão automática. Os números do Prisma LTZ 1.4 são 1.054 kg ou 1.085 kg.

Como andam os novos Onix e Prisma 2017

iCarros avaliou as versões LTZ 1.4 tanto do Onix quanto do Prisma, sendo o primeiro com o novo câmbio manual de seis marchas e o segundo com a caixa automática. No hatch, a leveza de operação da nova direção elétrica chama a atenção. Leve em manobras, ganhar firmeza ao se ganhar velocidade. Seu peso é natural nas mãos do motorista. A grande novidade, o câmbio, tem engates leves e precisos e a relação da sexta marcha é mais longa que a quinta da transmissão antiga. Além de deixar a rotação mais baixa em velocidades de estrada, ajuda a conter o consumo. O motor se mostrou menos áspero na operação, ganhando giros com mais facilidade, mas a entrega de torque começa mesmo a partir das 2.000 rpm.

No caso do sedã automático a maciez do propulsor fica mais evidente, pois, com o câmbio fazendo as trocas, só se percebe que o carro está em funcionamento a partir das 3.000 rpm, quando o ronco do motor aparece de verdade. Com operação praticamente imperceptível, a caixa de seis velocidades casou bem com o propulsor renovado.

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

 

 

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro