Flex: mitos e verdades

Há mais de 15 anos no mercado, os motores bicombustível ainda geram dúvidas. Conheça os mitos e verdades sobre os flex

08/07/2020 - Redação / Foto: iCarros / Fonte: iCarros

Embora já estejam há mais de 15 anos no mercado brasileiro, os carros flex ainda são cercados de muitas dúvidas, mitos e informações falsas. Para desmistificar algumas dessas falácias, o iCarros traz uma lista completa com mitos e verdade para você tirar as suas dúvidas.

Leia mais:
+ 10 bons carros usados e seminovos por até R$ 20 mil
+ Tanquinho de partida a frio: cuidados e manutenção
+ Dólar alto faz preço de carros no Brasil disparar

O primeiro abastecimento deve ser com gasolina?

Embora muitos vendedores ainda deem essa recomendação, ela não é verdadeira. O carro pode rodar com qualquer proporção entre etanol e gasolina desde 0km. A unidade de controle do motor saberá analisar por intermédio da sonda lambda ou sensor de oxigênio o combustível que está sendo utilizado.

Posso misturar os combustíveis?

O motorista não precisa se preocupar em usar o que está no tanque até o fim antes de abastecer. Ele tem total liberdade para escolher qualquer combustível, etanol ou gasolina ou a mistura dos dois, sem nenhuma restrição, qualquer que seja o conteúdo no tanque. É claro que não vale colocar outro combustível além de etanol ou gasolina.

Motor flex vicia em um combustível?

Se você abastece sempre com o mesmo tipo de combustível, pode adotar um diferente a qualquer momento sem nenhum problema. O sistema flex identifica o combustível no tanque e faz os devidos ajustes na quantidade de combustível injetado, ângulo de ignição, rotação de marcha lenta, entre outros.

Vale destacar, no entanto, que ao fazer a troca do combustível, alguns fabricantes recomendam rodar pelo menos 10 minutos antes de desligar o carro após abastecer para que o sistema possa fazer essa leitura e deixar o motor pronto para rodar com o combustível novo no tanque. Isso também ajuda o sistema de partida a frio a entender se terá de atuar ou não.

É preciso fazer rodízio dos combustíveis?

Uma vez que o motor é projetado para rodar com qualquer proporção entre gasolina e etanol, não é preciso fazer rodízio entre eles.

Gasolina rende mais?

Basta olhar os números de consumo para comprovar que a gasolina rende mais, gerando maior autonomia. Devido às propriedades químicas da gasolina, ela faz com que o motor consuma uma média de 30% menos quando comparado ao etanol.

Por outro lado, o etanol permite ao motor desenvolver uma potência maior. O etanol tem propriedades antidetonantes melhores do que a gasolina, o que favorece o aumento do avanço de ignição, gerando mais potência no motor.

Por isso costuma-se recomendar o abastecimento com gasolina somente quando o valor do etanol corresponde a 70% ou mais do valor da gasolina.

Motores flex duram mais?

Os motores flex são desenvolvidos para durarem o mesmo que os motores monocombustíveis, ou seja, não há diferença na durabilidade entre eles. A durabilidade será a mesma qualquer que seja o combustível utilizado.

Motor flex não funciona bem no frio?

Como qualquer carro movido 100% a etanol, a partida em dias mais frios é dificultada se o carro estiver abastecido com esse combustível. O funcionamento do motor com etanol a frio é mais complicado porque ele tem menor volatilidade que a gasolina e isso dificulta a formação da mistura ar-combustível.

Por isso, os primeiros modelos flex adotavam um tanquinho que permitia ao sistema injetar um pouco de gasolina, facilitando a partida enquanto o etanol ainda não estivesse na temperatura adequada. Hoje, os modelos novos adotam um sistema que pré-aquece o etanol, dispensando o tanque auxiliar.

Há dois tanques, um para a gasolina e outro para o etanol?

Os veículos têm apenas um tanque principal, que pode ser abastecido tanto com etanol quanto com gasolina. Os veículos flex mais antigos têm um segundo pequeno tanque, abastecido com gasolina, que serve apenas para a partida a frio.

Motor flex tem desempenho inferior?

O motor flex trabalha com uma taxa de compressão diferente de um motor monocombustível. Isso ocorre porque ele precisa usar uma taxa intermediária para se adequar tanto à gasolina (taxa menor) quanto ao etanol (taxa maior).

Se o motor usa apenas um tipo, ele pode adotar a taxa ideal para um combustível específico, gerando melhores resultados em potência, consumo e autonomia. Quando o motor é desenvolvido apenas para um único combustível, apresenta um desempenho melhor, porém não existe a opção de abastecer com outro tipo de combustível.

Motores flex exigem cuidados especiais?

A manutenção de um motor flex é a mesma de um motor monocombustível. Ou seja, as revisões devem ser feitas nos mesmos prazos, seguindo as orientações do fabricante. E não caia na conversa de lubrificantes e peças específicas para os flex. Eles exigem cuidados normais como qualquer outro motor. O que acontece é que cada montadora recomenda lubrificantes específicos para seus motores.

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

  • Seguro Auto

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro
Para proteger e melhorar a sua experiência no site, nós utilizamos cookies e dados pessoais de acordo com nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Ao navegar pela nossa plataforma, você declara estar ciente dessas condições.