Briga na F1: acordo da Ferrari com FIA é atacado por rivais

Sete equipes da F1 se unem em comunicado repudiando manobra nos bastidores entre FIA e Ferrari sobre motor de 2019

04/03/2020 - Rodrigo França e Luiz Felipe Chaguri / Fotos: Ferrari Media / Fonte: iCarros

A Fórmula 1 vive um momento extremamente conturbado em seus bastidores e que pode prejudicar os próximos passos da temporada 2020 e também do ano que vem.

Não bastasse a preocupação com o Coronavírus (Covid-19), a principal categoria do automobilismo vive momentos de indefinições por conta de uma polêmica envolvendo o motor usado pela Ferrari em 2019, alvo de críticas da Red Bull e de outras equipes na parte final da temporada.

Mais sobre a F1:
+ Testes da F1 terminam com Mercedes na frente
+ Fórmula 1: super galeria com os novos carros para 2020
+ Análise: Pré-temporada da F1 é encerrada com equilíbrio

FIA “passa pano” e omite resultados do caso

Na última sexta-feira (28), a entidade soltou um comunicado sobre a análise realizada nos motores usados pela Ferrari em 2019 e disse ter feito um acordo com a escuderia. Os dados colhidos não foram revelados e a sujeira parece ter sido colocada para baixo do tapete.

“A FIA anuncia que, após investigações técnicas, concluiu a análise de operação da unidade de potência da Ferrari e achou um acordo. As especificações desse acordo vão ficar entre as partes”, diz o início do comunicado.

O foco do assunto ainda foi desviado no final do documento. “A FIA e o time concordaram em uma série de compromissos técnicos que vão melhorar o monitoramento de todos os motores da F1 nos próximos campeonatos, assim como ajudar a FIA em outras tarefas regulatórias da F1 e em suas pesquisas de emissão de carbono e combustíveis sustentáveis”, completou a FIA.

A revolta de sete equipes do grid

O capítulo seguinte dessa história nebulosa aconteceu na manhã desta quarta-feira (4), com as sete equipes do grid da F1, todas que não utilizam motores Ferrari, soltando um comunicado repudiando a ação do órgão máximo do automobilismo. Eles cobram mais clareza e ameaçam levar o caso na justiça.

"Nós, as equipes que assinaram abaixo, ficamos surpresas e chocadas com a declaração da FIA de sexta-feira, 28 de fevereiro, a respeito da conclusão da investigação na unidade de potência da Scuderia Ferrari de F1. Um órgão regulamentador esportivo internacional tem a responsabilidade de agir com os mais altos padrões de governança, integridade e transparência”.

As sete equipes que assinaram o documento contra o acordo da Ferrari com a FIA são: Mercedes, McLaren, Red Bull, Williams, Racing Point, Alpha Tauri e Renault. Apenas Alfa Romeo, Haas e a própria Ferrari são os outros três times do grid que não estão no documento.

“Após meses de investigações promovidas pela FIA, feitas apenas após pedidos de outras equipes, nós questionamos fortemente a chegada a um acordo confidencial entre FIA e Ferrari para encerrar este assunto”, disse o comunicado dos sete times.

Para completar, as equipes cobraram que o resultado da investigação seja divulgação para o público. “Portanto, declaramos publicamente nosso compromisso compartilhado de buscar a divulgação completa e adequada sobre este assunto, para garantir que nosso esporte trate todos os concorrentes de maneira justa e igual”.

“Fazemos isso em nome dos fãs, participantes e partes interessadas da Fórmula 1. Além disso, reservamos nosso direito de buscar reparação legal, dentro do devido processo da FIA e perante os tribunais competentes”, finalizou o documento.

Caso a polêmica se arraste durante a temporada, até o regulamento para 2021 da F1 pode estar em cheque, já que o tradicional Pacto de Concórdia ainda não foi assinado para as definições da nova F1, que está por vir no próximo ano.

Coronavírus preocupa organização da F1

Além desse clima quente nos bastidores, a F1 já confirmou o cancelamento do GP da China por conta do Coronavírus e ainda teme a restrição de alguns países quanto a presença dos italianos.

O Barein e o Vietnã, palcos da segunda e terceira etapas do calendário, respectivamente, são países que estão impondo severos controles aos italianos, o que prejudicaria principalmente as equipes Ferrari, Alpha Tauri e representantes da Pirelli, fornecedora de pneus.

A Itália é o país que mais sofre com o Covid-19 depois da China, onde o primeiro caso foi encontrado. No país europeu já são mais de 34 mortes e 1700 pessoas infectadas. 

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

 

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro