Como o pit stop mudou a F1 para sempre

Descubra como cada ação é cronometrada dentro do box para que o piloto não perca nem um décimo de segundo

01/07/2019 - Rodrigo França / Fotos: Divulgação / Fonte: iCarros

O nome já diz tudo: pit stop, ou seja, rápida parada em tradução livre. Mas se nos primórdios da F1 a parada ainda levava mais de um minuto, ela foi se aperfeiçoando com a era moderna da categoria, baixando dos 10 segundos nos anos 1980. E foi assim que este processo mudou a F1 para sempre.

Leia mais:
Fórmula 2: o caminho mais rápido para F1
Vitórias brasileiras marcam ano da F4 nos EUA
As histórias das 60 edições do GP da França de F1

Foi nesta época em que se introduziu o reabastecimento, que garantiu vitórias inclusive para Nelson Piquet na Brabham, precursora do aperfeiçoamento deste tipo de parada.

Colocar combustível no carro, no entanto, foi proibido a partir de 1984 por questão de segurança, depois retornou em 1994 e voltou a ser vetado em 2010. A conta era simples: era mais eficiente sair com o carro leve, abastecer no meio da corrida em uma parada rápida - ainda mais porque não havia nem controle de velocidade nos boxes.

Recorde de pit stop

Para as trocas de pneus, a vantagem também sempre foi fácil de entender: com um composto desgastado, o piloto vira tempos cada vez mais altos, até um ponto em que é melhor perder o tempo entrando no box e calçar novos compostos da Pirelli (fornecedora única da F1). Desta forma, consegue compensar o tempo perdido e até recuperar posições com os pneus novos.

Mas, para que tudo isso fosse possível, foi preciso criar uma linha de produção. Equipes investiram na contratação e formação de mecânicos que fazem “só isso” durante a corrida – colocamos entre aspas para mostrar que são especializados, mas de grande responsabilidade.

Simule as parcelas do seu próximo carro aqui

Nos últimos anos, o que era feito em 10 segundos nos anos 1990 passou a ser feito em 2 segundos na F1 atual de forma corriqueira. O recorde, aliás, pertence a Williams em 2016, com o tempo de 1s89 no GP da Europa, no circuito de rua de Baku, no Azerbaijão.

Sangue frio

Durante a corrida da F1 em Paul Ricard, na França, o iCarros teve acesso com exclusividade aos boxes da equipe Haas de F1 para acompanhar de perto o pit stop.

O que mais chama atenção vendo o trabalho que as câmeras de TV não mostram é que o time de 22 mecânicos que trabalha na operação assiste à corrida tranquilamente e só se movimenta com 30 segundos antes da parada. É impressionante ver dois times de futebol se levantando do nada (após ouvirem o chamado no rádio) e se posicionar no exato centímetro designado no pit stop.

Mas, por que fazer isso tão em cima da hora? Haja sangue frio por parte de todos na equipe, aliás – a impressão de dentro do box é que não dará tempo de arrumar tudo até a entrada do piloto. O motivo desta metodologia é simples: concorrência.

A volta em que cada piloto para entrega a estratégia ao adversário, então quanto mais próximo da parada, menos indícios os times entregam sobre sua hora de parar.

Blefe e estratégia

“Se você está disputando uma posição na pista e não consegue parar, antecipar a parada é uma ótima solução”, explica Pietro Fittipaldi, piloto de testes da equipe Haas e da Audi na DTM – categoria onde a parada nos boxes é decisiva.

Este tipo de parada é chamada de undercut - antecipar o pit, colocando pneus mais novos para virar mais rápido que o carro da frente. Quando o adversário parar, 3 ou 4 voltas depois, aqueles 0s5 que o piloto virou mais rápido se transformam em 2 segundos e… pronto, a ultrapassagem está feita!

Não é incomum, inclusive, times blefarem a formação de pit stop para tentar induzir uma equipe a também antecipar a parada. Ferrari e Mercedes que o digam.

Acompanhando o trabalho pré-pit stop dá para ver que cada mecânico é extremamente especializado: ele já sai do box pegando o pneu que será responsável e executa apenas aquela função: tira o pneu e pronto.

Já o outro coloca o novo, enquanto um terceiro trabalha com a pistola. Desta forma, com 3 mecânicos por roda, o trabalho é tão sincronizado que é preciso ver em câmera lenta para entender como cada um faz sua parte de forma precisa.

Pit stop aplicado a empresas

Pensa que só na F1 os décimos de segundo desta linha de produção fazem diferença? Pois a McLaren criou um departamento que aplica esta dinâmica a outras empresas, ajudando-as na economia de preciosos segundos em processos que poupam milhões aos que contratam seus serviços.

Desde uma linha de produção de pastas de dente até o tráfego aéreo do aeroporto de Heatrow, em Londres, um dos mais movimentados do mundo.

“Nós observamos a rotina de trabalho e, vendo como cada um desenvolve sua função, usamos nossa experiência em corridas para economizar tempo e assim aumentar a produtividade”, explica Geoff McGrath, vice-presidente da McLaren Applied Technologies.

Então, da próxima vez que você assistir a um GP de F1 e ver um piloto ganhando as posições no box, lembre-se: foi necessário o trabalho de um grande time para conseguir aquela ultrapassagem, ainda que seja menos emocionante do que as feitas na pista.

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro