Disputa interna entre Vettel e Leclerc complica Ferrari

Depois de um turbulento GP da Rússia, com um confuso jogo de equipe da Ferrari, a vitória ficou com a Mercedes

30/09/2019 - Rodrigo França / Fotos: Divulgação / Fonte: iCarros

Quem analisar a folha de resultados do GP da Rússia de F1 deste ano vai imaginar um amplo domínio da Mercedes: vitória de Lewis Hamilton, com Valtteri Bottas completando a dobradinha em segundo.

Mas foi a Ferrari do terceiro colocado, Charles Leclerc, o grande nome do final de semana – até pelo menos a bandeirada. Depois de conquistar a pole com uma volta impressionante, o monegasco parecia o grande favorito à vitória. Mas seus problemas começaram ainda na largada, por um jogo de equipe que causou polêmica na Rússia.

Para trazer para frente seu companheiro de equipe, Sebastian Vettel, Leclerc facilitou o caminho do alemão na largada. Ele cedeu o vácuo que favoreceu o “salto” de Vettel de terceiro para segundo, ultrapassando Hamilton. A manobra, para ser perfeita, exigiu que Leclerc não fechasse a porta em cima do companheiro de equipe na curva seguinte e, com isso, Vettel assumiu a ponta.

Será que vem aí uma disputa na Ferrari, pensavam os torcedores? Que nada: era tudo combinado com os dois pilotos antes mesmo da corrida. Vettel devolveria a posição e assim a Ferrari caminharia para uma dobradinha e sua quarta vitória seguida, mantendo 100% de aproveitamento desde a volta das férias de verão da F1.

Reclamações no rádio

Só que o plano (que na teoria parecia funcionar bem) não saiu como o esperado. Vettel abriu bastante e argumentou que não poderia ceder de volta o primeiro lugar justamente por Leclerc estar longe. Por outro lado, o monegasco argumentava que a turbulência do carro de Vettel estava prejudicando sua performance – ele queria ter “ar limpo”, como teria se fosse o líder. Este vem sendo um problema constante na F1 que inclusive o regulamento de 2021 deve mudar.

As reclamações ficaram públicas com a divulgação dos rádios, e a equipe teve que consertar a ordem dos dois no pitstop – Leclerc fazendo o “undercut” sobre Vettel (parando antes e assim voltando mais rápido com pneus mais novos e saindo na frente quando o alemão parasse).

Os deuses do esporte, no entanto, parecem não gostar deste tipo de atitude: pouco tempo depois, Vettel parou na pista, abandonando com problema na unidade de potência híbrida. Pior que o abandono, foi ver a entrada do “safety car virtual”, que deu uma enorme vantagem aos pilotos da Mercedes, que puderam parar quanto todo mundo era obrigado a andar mais lento.

Ou seja, Hamilton e Bottas fizeram o pit stop e voltaram à frente de Leclerc. Em uma pista de difícil ultrapassagem, o piloto da Ferrari não podia fazer nada.

Como anda o clima entre os companheiros de equipe?

Na imprensa italiana, dizem que o clima entre os dois companheiros de equipe não anda nada bem. De fato, desde o treino classificatório no GP da Itália, em que Leclerc não deu vácuo para Vettel, os dois parecem ter desconfianças mútuas toda vez que precisam se ajudar.

Talvez você se interesse por:
Fórmula 1 2019: Classificação e Calendário
Como um GP da França em Champanhe mudou a história da F1
F1 de 2021 estreia na pista com novos pneus Pirelli
Fórmula 1 anuncia recorde de corridas na temporada 2020

No GP da Itália, Leclerc vinha de sua primeira vitória na F1 e obviamente isso traz um novo patamar para qualquer piloto. Assim, fica cada vez mais evidente que a Ferrari tem dificuldade em administrar uma equipe com dois pilotos de ponta que podem ostentar o status de número 1.

Basta ver quando Felipe Massa incomodava Fernando Alonso e o mesmo de Rubens Barrichello sobre Michael Schumacher o quanto o time acabava se complicando em decisões de jogo de equipe que arranham a imagem do time. Nos dois casos acima, basta lembrar o GP da Alemanha de 2010 e os GPs da Áustria de 2001 e 2002, respectivamente.

Talvez a meteórica ascensão de Leclerc não era esperada pela cúpula ferrarista já neste segundo semestre de 2019. Talvez a má fase de Vettel também tenha acelerado este processo – ou pode ser até mesmo uma consequência já desta falta de controle sobre seus pilotos e do ambiente mais conturbado.

O fato é que, no momento que mais precisa de reação, o time italiano titubeou. Com um carro que está se mostrando cada vez mais competitivo em todos os tipos de pista (de alta como Spa e Monza e mais travado como Sochi e Singapura), acabaram vendo Hamilton e Mercedes triunfarem na Rússia. O time já pode ser campeão de construtores no Japão e o inglês pode garantir o hexacampeonato no México.

Para a Ferrari, a melhora no final do ano traz esperanças somente para o campeonato de 2020. Mas como será a administração do duelo entre esses dois grandes pilotos no time?

Acompanhe as novidades do mundo automotivo pelo iCarros no:

Facebook (facebook.com/iCarros)
Instagram (instagram.com/icarros_oficial)
YouTube (youtube.com/icarros)

  • Compartilhe esta matéria:
 

Faça seu comentário

publicidade

  • Seguro automóvel

    Veja o resultado na hora e compare os preços e benefícios sem sair de casa.

    cotar seguro